Design editorial: conheça mais essa área de atuação - Mangu Brand
 
 

Vamos conversar sobre o seu projeto? SOLICITAR UM ORÇAMENTO

Vamos conversar sobre o seu projeto? SOLICITAR UM ORÇAMENTO

 

Caso você esteja interessado em deixar suas publicações ainda mais atrativas para seu público, conhecer um pouco mais sobre design editorial é pra lá de importante.

Lógico, produzir um texto robusto e muito informativo é algo muito importante! Mas quando você combina esse conteúdo com elementos visuais bacanas e que conversem com o assunto, não só torna a experiência do leitor mais dinâmica como também agrega valor à publicação. Isso porque ela passa a ser vista como uma publicação bem pensada e produzida.

Venha com a gente descobrir um pouco mais sobre o mundo do design editorial e como ele pode impactar positivamente suas publicações e, consequentemente, sua marca. Vamos lá!

 

Entendendo o que é o design editorial

O design editorial é, como o próprio nome sugere, um campo do design mais focado em projetos que envolvam editoração, desde seu planejamento até sua realização.

Como mencionamos no começo do conteúdo, um bom texto combinado com um design bem executado tem vantagens incríveis. Isso não só organiza melhor as informações ditas e as apresenta de uma maneira atrativa, como também ajuda a leitura de seu público a ser muito mais fluida, dinâmica e menos cansativa.

Acontece que ao inserir os conceitos de design no conteúdo, você não só vai aumentar o engajamento de sua publicação, como também marcará o estilo de sua marca na mente dos leitores, dando um toque único e especial ao conteúdo.

Não é uma regra para todos os projetos que envolvem o design editorial, mas esse âmbito do design tem um relacionamento muito intrínseco com a área do jornalismo. O trabalho, geralmente, é executado por profissionais como diretores de arte, ilustradores, diagramadores e afins.

Sendo assim, esse profissional especializado em design deve trabalhar diretamente com jornalistas e/ou repórteres, ou pelo menos com o apoio deles. Assim, a ideia sairá do papel com extrema qualidade e bem executada.

 

E qual é a diferença entre o design editorial e o gráfico?

O design gráfico é uma vasta área, com as mais diversas possibilidades de execução. No meio desse universo, o design editorial é uma das possibilidades, sendo uma especialidade restrita dentro do design gráfico.

No final das contas, e resumindo bastante o conceito, um profissional que trabalha com design editorial é, automaticamente, um designer gráfico também.

A diferença pontual entre esses dois conceitos é que o design gráfico é muito mais amplo e aplicado em várias coisas, desde peças publicitárias e os mais diversos materiais de comunicação, sites e aplicativos, até embalagens de produtos.

Enquanto isso, seu irmão editorial é aplicável exclusivamente em projetos editoriais, como já explicamos. Isso porque seu maior foco é no processo de edição de revistas e jornais, livros e publicações no geral.

 

Onde aplicar o design editorial

Agora que você já tem uma ideia melhor do que é design editorial, vamos entender mais onde ele pode ser aplicado.

Na verdade, já citamos alguns exemplos aqui no tópico acima. Mas que tal a gente se aprofundar um pouco mais em falar sobre o espaço que o design editorial tem no mercado?

Então vamos ver como essa área agrega para os mais diversos materiais.

Mercado editorial, o mundo perfeito para esses profissionais

Vamos começar pelo território mais óbvio e também pelo que já citamos aqui: a esfera do mercado editorial. Aqui não existe segredo. O designer editorial tem espaço para trabalhar com materiais como jornais, livros, ebooks, em diagramação de revistas e por aí vai.

Quer saber um pouco mais sobre o mercado? Dá uma olhadinha nesse vídeo do canal Bella Diagramação.

Universo educacional

Quando olhamos para a área educacional, entendemos que o designer editorial tem um espaço muito importante. Aqui, ele auxiliará em projetos de criação de apostilas, livros educacionais e técnicos, tutoriais e os mais diversos materiais usados para educação.

Em empresas

Por essa, talvez, você não esperava, não é mesmo? O designer editorial também tem seu lugar dentro do setor de marketing de uma corporação, podendo agregar muito nessa área da empresa com suas técnicas.

Lá, ele pode auxiliar na produção dos mais diversos conteúdos, como manuais de uso, catálogos, informativos, ebooks e muito mais de modo profissional e de um jeito que faça com que os leitores se engajem com o conteúdo.

 

A importância do design editorial

Para nós, seres humanos, imagens tem extrema influência e importância, não só para tomada de decisões como também para influenciar nosso comportamento de modo geral.

Isso porque enxergamos o valor das coisas, atribuindo status a elas, por meio da imagem — no caso das marcas, por meio de sua identidade visual.

Quando falamos de produção de conteúdos isso também não é diferente. O uso correto de recursos visuais pode atingir o leitor de modo eficiente, impactando seus sentidos tanto de modo negativo quanto positivo.

Um projeto de design editorial muito bem executado pode tornar a experiência de leitura do público muito menos confusa, mais agradável, com maior dinamismo, até mesmo influenciando o leitor a gostar ou não do que ele está lendo.

Para sua marca isso pode ser uma grande ferramenta para conquistar novos clientes e passar a ideia de sua empresa, seus valores, seus pensamentos, de modo mais claro e efetivo.

 

Dicas para fazer seu próprio projeto de design editorial

Já entendemos o que é o design editorial, sua importância e suas variadas aplicações. Então chegou a hora de vermos algumas dicas de como fazer um projeto de design editorial com excelência.

1) Qual é a fonte mais apropriada?

Escolha as fontes corretas para seu projeto e para cada parte dele. Afinal, não é todo tipo de fonte que pode ser usada, não é mesmo? Isso vai depender muito do objetivo de seu projeto.

Por exemplo, existem as fontes serifadas. O termo “serifa” vem do holandês “schreef” e se refere a aqueles tracinhos nas extremidades das letras.

Apesar de ter um nome holandês, a verdade é que esse tipo de fonte nasceu na Itália, quando artesãos tinham todo o cuidado para talhar as escritas em pedras.

As fontes serifadas são mais usadas para conteúdos longos, com uma grande quantidade de texto, e principalmente naqueles que são impressos. Isso porque ela acaba deixando a leitura visualmente agradável.

Enquanto isso, as não serifadas são apenas aquelas que não contam com as linhas em suas extremidades e são muito mais usadas para as chamadas do texto, ajudando na leitura quando se está um pouco mais longe. Essas também são excelentes para se usar no conteúdo em si quando é uma publicação digital.

Veja um exemplo visual de ambas os tipos (fonte serifada e sem serifa):

Design editorial tipos de fonte

Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do Sul — Acessibilidade Digital, 2020.

Outra dica sobre esse tópico é: não use mais de duas fontes no projeto. Mais do que isso faz com que seu conteúdo fique visualmente poluído.

Resumindo, faça muitos testes até achar as fontes perfeitas para seu projeto.

2) A importância do alinhamento e das colunas

Design editorial alinhamentos

Fonte: Revista Glifo, 2019.

O alinhamento do conteúdo, assim como a distribuição do texto em colunas, também impactam e muito em como o público vê seu projeto.

Quando falamos em alinhamento, o justificado é sempre o mais usado em diversas publicações, mas caso você queira dar um tom mais formal para o seu conteúdo, o centralizado é a opção certa.

Quando falamos em colunas, temos que ter cuidado. Isso porque quando seu texto se encontra em apenas uma coluna, a leitura fica um pouco cansativa. O ideal é tentar distribuir o texto em mais de uma coluna.

3) O uso de recursos visuais

Nesse conteúdo, já citamos muito a grande importância da imagem… Mas não custa reforçar um pouco mais.

Faça um uso inteligente e estratégico de imagens e ícones para oferecer uma experiência imersiva ao leitor, fazendo com que ele fique preso na leitura e que o conteúdo seja entendido de um jeito melhor e mais fluido.

4) Ritmo, é ritmo de leitura

E uma última dica muito bacana, e que faz toda a diferença, é ter a noção de ritmo de leitura.

Aqui, o designer editorial precisa ter um olhar estratégico e inteligente, além do famoso “bom senso”, pensando que o leitor precisa ter um compasso constante em sua experiência com o conteúdo. Qualquer imagem, ícone ou itens que sejam um obstáculo para esse ritmo podem dificultar o entendimento ou impactar negativamente nessa experiência de leitura.

 

Como você pode ver nesse texto, o design editorial tem mais impacto para a sua marca e os conteúdos que você produz do que você imagina. Por isso, podemos dizer a você com toda a confiança: contratar um profissional dessa área só trará vantagens para suas publicações e agregará ainda mais valor à sua marca.

E caso precise de um serviço de design editorial profissional e pensado nos detalhes, você pode contar com a Mangu! Confira dois projetos que fizemos para a escola ALT Idiomas, em parceria com a Editora Baltimore — o Kids Rock e o Magic Tree —, e venha conhecer nossos serviços e ter algumas inspirações para seus projetos.

Compartilhe:
Design Sem categoria
Foto perfil Alex Canpe Escrito por Alex Canpe
12/09/2021
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

 

 

CONSULTORIA GRATUITA

Vamos definir juntos a melhor estratégia para o seu negócio. Agende um horário para falar com um de nossos especialistas!

Mangu Brand – Design de Identidade © Todos os direitos reservados.